quarta-feira, 24 de junho de 2009

Fim de Semana Lúdico-Pedagógico

No passado fim-de-semana de 19 a 21 de Junho, a Família Reis Morato e a Família Pereira, com o apoio moral da família Amore rumaram ao Porto para um fim-de-semana de enriquecimento familiar, cultural e cognitivo. O que mais tem de interessante no nosso grupo familiar, que duas famílias se tornam numa nem que por horas seja, é que temos 3 pessoas com deficiência. O Bruno e a Sara com Trissomia 21 e o pai da Sara com deficiência motora.

Rumámos ao Porto para ver o recém-inaugurado SEA LIFE. Parabéns pela riqueza de conteúdos que este local oferece. A determinada altura, todos nos sentimos como se fizéssemos todos parte integrante do meio subaquático, tal não é a envolvência do espaço e a forma como interage connosco e nos toca. Percorrer um corredor passando um tubarão por cima de nós, ou ao nosso lado deslizar uma raia, faz-nos sentir imensamente pequenos e acima de tudo sentimos bem dentro de nós a necessidade imperativa de contribuirmos para a preservação dos oceanos e do planeta em geral. É um bem comum demasiado precioso para se perder.

Depois do almoço, rumámos ao Zoo da Maia, onde debaixo de um sol e calor abrasadores encontrámos um Zoo todo debaixo de árvores frescas e acolhedoras, com uma biodiversidade incrível, que em muitos pormenores bate o Zoo de Lisboa. A prova viva que não é só na capital que existem os pontos de interesse, mas que fora da mesma também existe muita e variada oferta deste tipo de serviços.

No Zoo da Maia ficamos deveras deslumbrados com tudo, só demos nota negativa ao facto das rampas de acessibilidade serem de tal forma íngremes que se tinha de descer de costas segurando os carrinhos das crianças!

A prova viva de que é na interacção real, contactando com as realidades que mais os nossos meninos do cromossoma a mais aprendem, é que assim que viram alguns dos animais, o Bruno disse “zebra”, e dobrou o som “z”, e a Sara aperfeiçoou a palavra “macaco” e “foca”, dobrando o som “f”. Faz de facto toda a diferença. E uma tarde assim tão rica valeu por dezenas de sessões de terapia!

Era já um início de fim de tarde, mas ainda muito abrasador quando decidimos queimar os últimos cartuchos do dia, indo a mais um zoo. Desta vez ao Park Zoo da Quinta de Santo Inácio, em Avintes – Gaia. Pertencente à Quinta da Aveleda, este Park Zoo localizado dentro de uma quinta centenária, é o espaço ideal para um fim de tarde em família, onde o silêncio sincroniza-se na perfeição com o cantar das aves, sob o olhar atento dos felinos e restantes animais. Os nossos meninos e o Zé não pagaram exactamente pelo seu estatuto, e foram muitíssimo bem recebidos também. Assim que entrámos no Park, repousámos sob o cuidado de uma amoreira certamente também ela centenária, como a maior parte das árvores ali existentes, refrescamo-nos com águas frescas, demos o lanche à pequenada e fomos À descoberta do Parque que encerrava às 20:00. O Zé já muito fatigado ficou num banco de jardim junto ao local onde se encontram os cães da pradaria, e nós aí fomos explorando. O piso não facilita muito os carrinhos de bebes, mas de facto é a melhor forma de manter o parque com o aspecto mais similar possível ao habitat dos animais.

Vale de facto a pena visitar este parque zoo, o único no país, segundo me foi dado a informar, com um Insectário, contendo uma amostra dos vários insectos existentes nos vários pontos do mundo e respectivos habitats. Terminada a visita ao Insectário foi tempo de pausa pelo parque, junto de um bebedouro para beber água que deu azo a brincadeira de tal forma, que a Kika e a Sónia ficaram ensopadas. E desde pulos, passos de dança e gargalhadas tão grandes que até às lágrimas levaram, foi uma paródia familiar sem igual.

De saída do parque, uma visitinha aos wcs com as crianças, que já não usam fralda, a não ser à noite, e o regresso ao hotel, não sem antes assistir a uma corrida entre tia Sónia e sobrinha Sofia, que resultou numa queda e num cotovelo esfolado da Sofia. Quem manda desafiar a tia atleta? Depois de muito choro e anda com calor imenso às 19:30 (29º), regressámos ao Hotel Ibis S. João, no Porto, e durante o caminho foi tempo dos pequenos relaxarem e fazerem uma soneca até ao destino.

No Domingo depois de um enorme pequeno-almoço, pegámos nas malas e fizemo-nos à estrada para Lisboa, que o tempo era pouco para quem queria ainda visitar o Portugal dos Pequeninos em Coimbra.

Fizemo-nos à estrada, parando de 30 em 30 kms, para levar os pequenotes ao wc e não haver incidentes molhados na viagem. Parámos para almoçar na Mealhada e rumámos pela Nacional em direcção a Portugal dos Pequeninos. Quem vai relatar esta aventura é a Mãe do Bruno, visto que este local tem um forte significado para ela, pelas memórias de infância.

Chegados ao Portugal dos Pequeninos, a ideia era deixar os pequenotes explorar. É para mim um mundo de fantasia e de sentimento de “eu pertenço aqui”. Tudo é feito à medida dos mais pequenos e tudo acessível a eles.

Mas continuando com o nosso passeio pelo parque, a nossa viagem começou pelos países de expressão portuguesa e, logo à entrada do parque, mesmo à nossa frente estava a Casa da Guiné. Sendo o Bruno de origem guineense, fiz questão de entrar nesta casa com ele ao colo e de lhe falar um bocadinho sobre esta casa e de lhe explicar o que íamos vendo.

Depois fomos seguindo para as outras casas de outros países, por onde os descobridores portugueses foram passando. O Bruno, a Sofia e a Sara iam entrando e saindo das casas sempre muito animados e sob atenta vigilância das mães.

Seguimos depois para o Portugal Insular, onde visitámos os Açores e a Madeira. Posso dizer-vos que o Bruno preferiu os Açores. Passámos depois pelo “Portugal Monumental” e é de facto lindíssimo ver como a criançada se diverte a ver momentos feitos à sua medida.

No final desta primeira parte do parque, a pequena Sara já estava demasiado cansada e com o calor abrasador que se fazia sentir era impossível fazê-la continuar a percorrer o parque. Por isso, apenas o Bruno e a Sofia continuaram comigo, com a Kika e com a Sónia.

Estavam também disponíveis para visita, o Museu do Traje, o Museu do Mobiliário e o Museu da Marinha. Em todos entrámos e em todos as crianças aprenderam alguma coisa. No Museu do Traje, a Sofia delirou com os trajes dos egípcios que por lá iam aparecendo. Haviam reproduções da Nefretite e da Cleópatra.

A segunda parte do parque tem as casas que tenho nas minhas memórias de infância. São as casas típicas de Portugal e a zona de Coimbra… Foi muito gratificante para mim sentir que o meu menino estava a viver o mesmo tipo de sentimento que eu vivi quando tinha a idade dele. Tiramos fotos em casas onde eu já tinha tirado com os meus irmãos em criança… O Bruno e a Sofia entravam e saíam das casas com um sorriso estampado no rosto e no olhar.

Na entrada tínhamos sido informados de que havia, no pavilhão do Brasil, a projecção de um filme. Guardamos este pavilhão para o fim. Aqui, os mais pequenos tiveram oportunidade de ver um filme subordinado ao tema: “Achando o Brasil”. A pequenada adorou.

Resumindo, o passeio valeu para todos, mas o Bruno e a Sara por interagirem directamente com as realidades, aprenderam novo vocabulário, consolidaram rotinas, acções e as regras básicas de bem viver em sociedade.

São estrelas que desfilam perante o embasbacamento de muitos, a surpresa dos ignorantes e o espanto dos preconceituosos. Ao Bruno só falta pedirem autógrafos! É uma estrela!

Temos dado lições de amor e bem viver por onde passamos! Talvez consigamos assim mudar algumas mentalidades, abrindo cada vez mais janelas.

As nossas estrelas, o Bruno, a Sofia e a Sara estão de facto de parabéns. Eles são a prova viva que o exemplo vem bem debaixo, quando os valores são bem semeados, cultivados e cuidados.

As nossas crianças são de facto estrelas num imenso firmamento delas, apenas as deixamos brilhar em pleno para assim iluminarem as estrelas maiores e mais seniores, para que as atitudes, comportamentos, mentalidades mudem o mais rapidamente possível, para que o amanhã deles seja de facto uma sociedade mais ampla, mais abrangente, onde TODOS tenham o seu lugar por direito próprio.


Bem-haja.


Sandra Morato, Mãe da Sara e da Sofia – moratosandra@gmail.com

Maria João Pereira, Mãe do Bruno – http://otesourinho.blogspot.com

4 comentários:

Sandra disse...

Bruno, tu és uma estrela, num imenso firmamento. As Princesas juntam-se a ti e o teu brilhar sai de facto realçado. Somos já um só grupo familiar na sintonia de valores e filosofias de vida e todos juntos, sendo vcs os 3 pequeninos as grandes estrelas, mostrar que as atitudes, comportamentos, mentalidades e até legislação têm de mudar, para que haja de facto lugar para todos em sociedade. Só convivendo de perto com as realidades, as pessoas se tocam e percebem o quanto estão erradas. Nós temos o maior orgulho em vcs, e tudo investimos em vcs para que vcs mesmo façam toda a diferença no amanhã. Esperamos não protagonismo, mas conseguir de facto trilhar um caminho, e antes de partirmos para o outro lado da Vida, deixar obra feita e ter assim garantido que demos todo o nosso contributo para que na Sociedade o lugar das pessoas com deficiência seja garantido por direito próprio, porque agitámos e abrimos mentalidades. Se há lugar para os maus e preversos, porque o vosso lugar ñão existe? Existirá porque nós pais tudo faremos para mostrar às pessoas que estão erradas. E fazemos isso vivendo o quotidiano normalmente, não vos encondendo, mas desfilando convosco, e demonstrando que amamos muito os n/ filhos e de igual forma, acabamos é por ter de dar mais rectaguarda aos que têm deficiência, para que as portas não sejam fechadas, mas abri-las muito mais ainda. Porque o Universo a DEUS pertence, e todos somos seus filhos, todos merecemos o nosso lugar e todos temos a nossa missão. Brunocas lindo dos tios, tu já és um vencedor, pelo Amor, Carinho e Colos que tens e a rectaguarda que te aplaude. Vais fazer história e todos cá estaremos para te ajudar e te aplaudir. Tu, a Sara e a Sofia de mãos dadas, são a prova viva que a discriminação e o preconceito só existe nas mentes e corações dos adultos mal formados, porque vocês são de facto uma obra de Deus, uma Lição de Vida e Amor.
Força, Fé e Amor, borrachinho lindo dos tios e primas, deste e do outro lado do ATlântico. Tia Sandra E Família

Angel disse...

Foi um mega fim de semana, onde os mais pequeninos encantaram e brilharam.
É sempre agradavel ver a alegria que irradia nos pequeninos, uns anjinhos que desceram á terra para trazer alegria e muito amor a estas duas familias.
A Sara também é uma menina incrivel, uma lutadora.
E o puto giro esse é um terrivel parte corações :).
Continuem assim e mostrem os vossos anjinhos ao Mundo.

Beijinhos

Sonic disse...

Todos os fins semana que temos passado até aqui, têm servido não só para nos conhecermos a todos os niveis, mas tb para os que estão de fora verem o que é lidar c a diferença duma maneira positiva e amando incondicionalmente, excluindo preconceitos, e etc.
A familia não só é a de sangue, mas igualmente a de coração e todos os fins semana que partilhamos aqui sao prova disso.
O Bruno, a estrelinha, o borrachinho, tal como a Sara, serão grande Homem e Mulher no futuro, o céu é o limite p eles e cabe nos a nós, familia, amar mo los incondicionalmente e apoiá los na rectaguarda para que no amanhã sejam totalmente independentes tal como qualquer outra pessoa...É pena que todas as pessoas, que têm crianças com um cromossoma extra, nao pensem assim e lhes tirem a oportunidade de serem GRANDES e permitem por isso, que eles vivam à margem, à sombra...
Força kids...
Beijos

Samantha BAires disse...

¡Qué hermoso fin de semana! Gracias por el relato y las fotos, muy divertidas.